Loading...

domingo, 25 de março de 2012

MAL DE ALZHEIMER E PARKINSON - Está ligado ao excesso de Alumínio



 O excesso de Alumínio no organismo, bem como os danos que isso provoca têm sido cada vez mais estudados. Alguns dos prejuízos que o alumínio provoca no organismo são: constipação intestinal, cólicas abdominais, anorexia, náuseas, fadiga, alterações do metabolismo do cálcio (raquitismo), alterações neurológicas com graves danos ao tecido cerebral. Durante a fase da infância pode causar hiperatividade e distúrbios do aprendizado. Estudos mais recentes estão relacionando o acúmulo de alumínio no organismo com o agravamento da doença de Alzheimer.

Estudo indicam que existem concentrações elevadas de alumínio nas regiões cerebrais mais afetadas pelo Alzheimer, particularmente nas regiões em que existem os emaranhados neurofibrilares (um dos sintomas histológicos da doença, já discutido em post anterior). Além da DA, o acúmulo de alumínio também está relacionado a outras neuropatias, como o Parkinson e algumas variantes da doença de Hallervorden-Spatz.
As taxas de alumínio estão elevadas nos cérebros de portadores da DA, com acúmulo sobretudo nos neurônios com degenerescência neurofibrilar. Entretanto, como já foi dito, nem sempre esse acúmulo está relacionado ao Alzheimer. Estudos feitos com injeção cerebral de sais de alumínio em animais, constatou que se provocam lesões cerebrais do tipo da degenerescência neurofibrilar, mas com filamentos simples e jamais em pares helicoidais, além de se formarem nas zonas do Sistema Nervoso Central que jamais são atingidas pela DA.
A partir dos resultados obtidos em estudos, verifica-se que o alumínio intervém em diversos processos neurofisiológicos responsáveis pela degeneração característica da DA. Apesar da polêmica existente, a evidência científica demonstra, ao longo dos últimos anos, que o alumínio se associa com o desenvolvimento do Alzheimer.
A seguir, abordaremos aspectos gerais sobre o metal alumínio, sobretudo as formas que podemos nos contaminar com esse metal:


Os perigos do alumínio


As pesquisas médicas mostram de forma cada vez mais precisa o papel do alumínio como fator que desencadeia doenças auto-imunes ou como fator que acelera a degeneração do sistema nervoso (Alzheimer).

Atualmente encontramos o alumínio

  • nos cosméticos: em pastas de dentes e desodorantes. A pele é uma via de absorção importante;
  • nos medicamentos: em antiácidos, em cerca de 25 vacinas, em certos produtos de dessensibilização (no caso de alergia);
  • nos utensílios de cozinha: panelas, frigideiras ... que passam alumínio para os alimentos cozidos. Existe também o risco de engolir alumínio ao raspar o fundo desses recipientes;
  • nas embalagens de alimentos: latas de bebidas são perigosas se o produto for ácido (suco de frutas, refrigerantes...); papel de alumínio (não devemos cozinhar peixe no forno, embrulhado nessas folhas, com suco de limão); embalagens “tetrapack” que, às vezes, contêm alumínio em contato com o líquido;
  • nos aditivos alimentares: anticoagulantes, endurecedores, fermentantes, emulsificantes, colorantes, acidulantes... alguns são solúveis e podem atravessar a parede intestinal: E 520, 521,522, 523 e 541;
  • na água potável: produtos utilizados no tratamento da água contêm alumínio e, às vezes, a água da torneira contém o metal.
A absorção excessiva de alumínio causa fibralgias (dores musculares generalizadas) e cansaço crônico. Geralmente isso aparece após os 40 anos, mas um número cada vez maior de jovens está sendo afetado. O excesso de alumínio no organismo também pode provocar: miofascite macrofágica, esclerose lateral amniotrófica, esclerose múltipla, poliartritre reumatóide, o mal de Parkinson, o mal de Alzheimer.
Informação adicional: Union Fédérale des Consommateurs, 
Caixa Postal 186, cep 40004 Mont-de-Marsan, França.

Fonte: Silence n° 304, dezembro de 2003.



BIBLIOGRAFIA:

Nenhum comentário: